Yes Wedding

O site YW está em manutenção por conta da nova versão e em breve o login estará normalizado. Obrigada pela compreensão

  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • Pinterest
O Yes Wedding tem o maior prazer em receber suas sugestões, opiniões e comentários. Quanto as dúvidas individuais, conforme formos recebendo, tentaremos transformá-las em pautas de matérias futuras. Obrigada e volte sempre!

Contato

contato@yeswedding.com.br
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • Pinterest

Matérias

Entrevista com o DJ Fabio Reder

14/05/2019

  • Das rádios e casas noturnas, Fabio Reder hoje é figura requisitada no comando das pick-ups de casamentos pelo Brasil!

  • Feeling apurado é o que diferencia o trabalho dele

  • Conhecimento e dedicação fez com que o DJ Fabio Reder fosse reconhecido como o primeiro DJ especializado na comunidade judica

  • Junto com os noivos,Fabio escolhe e orienta a formação do set ideal

  • E ele deixa a dica: pesquisa e conheça pessoalmente antes de contratar!

   Do trabalho em rádios, festivais e casas noturnas, o Fabio Reder se tornou figura conhecida e requisitada por trás das pick-ups também no universo dos casamentos. Apaixonado por música e pela interação com os convidados em uma pista de dança possui um feeling apurado para aquilo que faz uma festa ser sucesso do começo ao fim.

   Atuando em mais de 100 festas por ano, aperfeiçoa constantemente seu repertório para atender públicos cada vez mais exigentes. Entre seus diferenciais, está o conhecimento aprofundado nos costumes e tradições da comunidade judaica, tornando-o o primeiro DJ reconhecidamente especializado nesse segmento.

   Que tal conhecer um pouco mais sobre a trajetória e o trabalho desse profissional que agita casamentos por todo o Brasil? Confira isso e muito mais nessa entrevista exclusiva do DJ Fabio Reder ao Yes Wedding!

   YES WEDDING – Conte sobre sua trajetória como DJ até chegar ao mercado de casamentos.
   DJ FABIO REDER –
Comecei como a maioria dos DJs da minha época, fazendo festas em garagens, escolas, prédios. Com o passar do tempo, passei a atuar em clubs, festivais de músicas e rádios, até que em 1999 passei a fazer eventos fechados e casamentos, aproveitando meu conhecimento musical e agregando mais músicas ao meu repertório que a maioria dos DJs não possuía ou não tocava. Nesse início, a maioria das festas tinha o limite de 6 a 8 horas de duração, e eu passei a fazer casamentos sem limite de horário, chegando a fazer casamentos de mais de 12 horas. Desde então já contabilizo mais de 2 mil casamentos realizados, de todos os estilos e segmentos possíveis.

   YW – O que destacaria como o principal diferencial do seu trabalho?
   FR –
O meu feeling. Descobri meu dom através dele. O sentimento que desenvolvo quando estou tocando e a troca de energias com as pessoas da pista através da música. Não sei explicar direito, mas é uma coisa que só acontece quando estou tocando, independentemente de onde estou, pra quantas pessoas estejam presentes ou como estão. São momentos únicos.

   YW – Você é conhecido por ser especializado em casamentos judaicos. Qual maior diferença desse tipo de casamento?
   FR –
Comecei a fazer casamentos judaicos assim que passei a fazer eventos. Um dos sócios da TRBR Eventos, empresa para a qual presto serviço de DJ até hoje, é judeu e me ensinou muitas informações importantes que eu precisava saber para respeitar a cultura e a crença da comunidade judaica. Desde então, me especializei em eventos da comunidade, dando a máxima atenção e respeito aos costumes deles. O principal diferencial que ofereço em um casamento judaico é proporcionar uma festa totalmente judaica, com repertório completo do início ao fim. Também respeitando a tradição ortodoxa que pede músicas sem vocais femininos. Desse modo, meu repertório judaico vai desde o tradicional até o mais eletrônico pop existente, inclusive com produções próprias reconhecidas pelos artistas proprietários das músicas.

   YW – Como você define o set do casamento com os noivos?
   FR –
Eu procuro orientar os noivos para as melhores escolhas. Até o momento em que me procuram, eles foram a casamentos apenas como convidados, mas agora são anfitriões e precisam dar muita importância à trilha sonora do começo ao fim da festa. Faço isso sempre dando muita importância ao gosto dos noivos. Nada é engessado, mas devemos respeitar os momentos da festa com músicas adequadas para agradar a maioria. Não imponho músicas, procuro deixa-los à vontade para decidir o que querem e, quando estão em dúvida, oriento ou discutimos para acharmos as melhores alternativas, afinal também faço parte da festa e quero ver todos felizes.

   YW – Quanto tempo antes da festa o set deve ser finalizado?
   FR –
Tudo isso pode ser concluído em uma única reunião, que pode acontecer a partir de 30 dias antes do evento até dois dias, para os noivos mais atarefados. Pode parecer difícil, mas, no meu caso, a tranquilidade é uma parte importante para o sucesso do evento. Já fiz muitos casamentos sem reunião de músicas com os noivos por inúmeros motivos e todos foram sucessos. A boa música compensa os desafios!

   YW – Algo comum no decorrer das festas são os pedidos de músicas, seja por parte dos noivos ou dos convidados. Como lida com esses pedidos? Você combina algo com os noivos?
   FR –
Oriento aos noivos que façam pedidos musicais, assim como os convidados. Seria estranho pensar que em uma reunião de repertório os noivos já venham com uma lista de músicas pronta ou mesmo com uma playlist do Spotify, e não tenham se esquecido de colocar alguma música. Uma festa de casamento é diferente de um bar ou um club. Nesses lugares já sabemos o que vamos ouvir ou dançar. Já num casamento são dezenas ou centenas de gostos em poucas horas e ser simpáticos a eles pode ser o segredo para uma super festa. Muitas vezes os pedidos de convidados tornam um momento especial que ninguém tinha pensado. Para mim, faço tanto parte da festa quanto os convidados e quanto mais eles se divertem com os pedidos deles, mais eu me divirto tocando pra eles. Mesmo assim, dou muita importância para as restrições dos noivos e quando algum convidado pede uma música negada pelos noivos, procuro contornar a situação orientando a fazerem outro pedido sem dizer que não posso tocar. Em algumas situações a negatividade pode ser agressiva, mas na maioria das vezes os pedidos são bem legais e procuro encaixar nos momentos certos usando o feeling.

   YW – Já recebeu algum pedido muito inusitado? Conte como foi?
   FR –
Sim, tenho muitas histórias de pedidos inusitados. Um deles foi de música judaica em casamento católico com direito a dança dos noivos nas cadeiras. Ou o hino do clube de futebol do Guarani para o noivo que era torcedor fanático, assim como o pai e o avô. Mas, um dos casos mais bizarros aconteceu em um casamento em que os noivos contrataram um cantor famoso para tocar e ele veio pra tocar como DJ. Só que ele não avisou aos noivos e ainda me pediu para tocar as músicas enquanto ele fazia gestos como DJ. Eu até fiz, escolhi o repertório com ele no momento, tudo improvisado. Obviamente, os noivos ficaram chateados e o artista teve que sair pelos fundos do salão porque alguns convidados e o próprio noivo queriam "parabenizá-lo" pela enganação.

   YW – O que considera mais indicado para um casamento: um DJ segmentado ou um DJ eclético? Por quê?
   FR –
O DJ eclético ou, como é chamado atualmente, Open Format. O DJ segmentado vem preparado para fazer o set que ele está acostumado, e qualquer situação diferente do que se propõe ele não fará. Ou seja, se o DJ for contratado para tocar 2 horas de música eletrônica e depois de 40 minutos não estiver mais dando certo, com certeza os próximos 80 minutos farão com que muitos convidados se retirem. Já o DJ Open Format tem o feeling do evento, ele conta quantas mulheres, homens, jovens, senhores e senhoras tem na festa, para então fazer aquela sequência que levanta a pista e seguir alternando entre altos e baixos, algo muito necessário para uma festa longa e de sucesso. As pessoas vão ver e ouvir o DJ segmentado tocar em locais específicos, enquanto o DJ Open Format toca para pessoas em locais variados com gostos específicos.

   YW – O que os noivos devem ter em mente ao escolher as músicas que tocarão na festa e assim chegar ao set ideal?
   FR –
O segredo é contratar um DJ profissional que possua experiência comprovada para executar um set ideal e exclusivo. Cada festa é única. O set ideal é aquele que as pessoas cantam, dançam, pulam, gritam, sorriem e, no final, estão com a maquiagem borrada, descalços, com a gravata na cabeça ou largada em algum lugar, e o terno esquecido em algum canto. Um bom DJ lida com momentos e comportamentos. Quando faço uma festa é como se fosse a primeira, nunca planejo porque sempre existe o improviso. Se eu for com um set montado certamente na hora de improvisar terei problemas, então é melhor já estar pronto para o desafio do inesperado. Os noivos devem agradar aos convidados e, claro, a eles mesmos, escolhendo uma playlist que a maioria conheça, deixando de lado músicas pesadas ou muito eletrônicas, e optar por melodias com letras e instrumentais contagiantes. Caso os noivos gostem muito de eletrônico ou rock pesado, conversamos e combinamos um momento especial para agradar ao gosto deles e dos convidados que gostem desse estilo. O importante é todos serem prestigiados e estarem felizes.

   YW – Existe alguma música ou estilo que, na sua opinião, não pode faltar em uma festa animada?
   FR –
Acredito que a música sofre mudanças através dos anos. Há algum tempo atrás as conhecidas dos anos 70 não podiam faltar, depois anos 80, anos 90, agora os anos 2000 vão muito bem. Acho que não existe regra, eu toco, as pessoas dançam, elas pedem músicas, eu toco. Elas ficam felizes e eu também. A música é psicológica, invade e causa sensações nas pessoas, logo é impossível afirmar o que realmente dá certo. Se eu dissesse qualquer coisa diferente disso isso estaria cometendo um erro e indo totalmente contra o que acredito com relação ao feeling.

   YW – Qual dica deixa para os casais que ainda não escolheram o DJ do casamento?
   FR –
Minha principal dica é: pesquisem e conversem pessoalmente com os DJs antes de fecharem com um profissional. O DJ indicado por essa ou aquela pessoa pode ser bom, mas não significa que seja bom para o seu casamento. Os padrinhos deram de presente o melhor DJ do mundo. Inicialmente, isso pode parecer bacana, mas não significa que ele manterá a pista legal por mais de 2 horas. O casamento é único, as pessoas são únicas, os momentos são únicos e o DJ deve se preparar e dar a atenção única que o evento merece. Tudo que é importante é pesquisado muito antes de ser adquirido. Com DJ é também importante.

   Gostou das dicas? Que tal agendar um cafezinho e conhecer de perto mais sobre o trabalho desse profissional da música? Acesse AQUI e fale já com o DJ Fabio Reder!
 

Você também
pode gostar de...

Antena Yes

Fabiana Saad e Flavio...

“Casamento é celebrar o amor que...

Antena Yes

Aline Lima e André...

“Só consigo pensar em você ali,...

Antena Yes

Laís Sabadini e Felipe...

Há cinco anos, o destino de...