Yes Wedding

O site YW está em manutenção por conta da nova versão e em breve o login estará normalizado. Obrigada pela compreensão

  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • Pinterest
O Yes Wedding tem o maior prazer em receber suas sugestões, opiniões e comentários. Quanto as dúvidas individuais, conforme formos recebendo, tentaremos transformá-las em pautas de matérias futuras. Obrigada e volte sempre!

Contato

contato@yeswedding.com.br
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • Pinterest

Cocoon

   A delicadeza, sofisticação e bom gosto da marca é encantadora.

   Na natureza, o propósito de um casulo (cocoon, em inglês) é envolver as larvas em seda para que se transformem em belas borboletas. A Cocoon usa essa mesma suavidade para criar suas peças. Criada em 2010, por Andrea Colli Filgueiras, Karina Olsen e Viviane Ferreira, a Cocoon resgata a tradição das joias únicas, feitas à mão.

   A inspiração vem, acima de tudo, da mulher brasileira: sua feminilidade, sua consciência do próprio corpo, e o fascínio que exerce onde quer que vá. “Ao desenvolvermos uma joia pensamos primeiramente em como a cliente irá vesti-la, de forma que a peça sempre jogue ainda mais luz ao estilo, elegância e beleza de cada mulher”.

 Suas joias são criadas para serem usadas no dia a dia, por mulheres reais. A ideia é mesmo tratar a vida cotidiana de forma especial. E agora, para a alegria das noivas e a pedido das já clientes, uma linha de alianças foi lançada e é linda de morrer.

   Já tendo conquistado uma clientela interessante e antenada que sabe o que é bom, o atendimento é discreto, intimista e carinhoso. Até o jornal inglês The Financial Times descreveu seu atelier como “o endereço insider imperdível para visitar em São Paulo”.

   A cada dois meses, uma nova coleção. A mensagem da marca é celebrar a beleza da vida real, dia após dia (entenderam maridos, noivos e namorados? Sempre hora de um presentinho para celebrar!).A delicadeza, sofisticação e bom gosto da marca é encantadora.

   Na natureza, o propósito de um casulo (cocoon, em inglês) é envolver as larvas em seda para que se transformem em belas borboletas. A Cocoon usa essa mesma suavidade para criar suas peças. Criada em 2010, por Andrea Colli Filgueiras, Karina Olsen e Viviane Ferreira, a Cocoon resgata a tradição das joias únicas, feitas à mão.

   A inspiração vem, acima de tudo, da mulher brasileira: sua feminilidade, sua consciência do próprio corpo, e o fascínio que exerce onde quer que vá. “Ao desenvolvermos uma joia pensamos primeiramente em como a cliente irá vesti-la, de forma que a peça sempre jogue ainda mais luz ao estilo, elegância e beleza de cada mulher”.

   Suas joias são criadas para serem usadas no dia a dia, por mulheres reais. A ideia é mesmo tratar a vida cotidiana de forma especial. E agora, para a alegria das noivas e a pedido das já clientes, uma linha de alianças foi lançada e é linda de morrer. 

   Já tendo conquistado uma clientela interessante e antenada que sabe o que é bom, o atendimento é discreto, intimista e carinhoso. Até o jornal inglês The Financial Times descreveu seu atelier como “o endereço insider imperdível para visitar em São Paulo”.

   A cada dois meses, uma nova coleção. A mensagem da marca é celebrar a beleza da vida real, dia após dia (entenderam maridos, noivos e namorados? Sempre hora de um presentinho para celebrar!).


São Paulo/São Paulo

11 3467 0410

/studiococoon.com.br

/studiococoon

4,5

685 avaliadores

459
159
52
7
6
Avalie
2
8

Resenhas

Reinaldo Gallo

12/12/13

Mas sua principal diferença está na utilização do método bespoke. O termo remonta ao século XVII, quando o cliente está loren ipsum.

Reinaldo Gallo

12/12/13

Mas sua principal diferença está na utilização do método bespoke. O termo remonta ao século XVII, quando o cliente está loren ipsum.

Reinaldo Gallo

12/12/13

Mas sua principal diferença está na utilização do método bespoke. O termo remonta ao século XVII, quando o cliente está loren ipsum.

Reinaldo Gallo

12/12/13

Mas sua principal diferença está na utilização do método bespoke. O termo remonta ao século XVII, quando o cliente está loren ipsum.